Pages Menu
FacebookTwitterInstagramInstagram
Categories Menu

S.O.S. ao Brasil

Publicado por em 17 mar, 2017 em Destaques, Na tela | 0 comentários

S.O.S. ao Brasil

Ontem (16) foi lançada no Brasil uma plataforma de campanha contra o uso de agrotóxicos. A #ChegadeAgrotóxicos está coletando assinaturas pelo site chegadeagrotoxicos.org.br, com o fim de barrar o Projeto de Lei conhecido como Pacote Veneno, do ministro da agricultura Blairo Maggi. O PL contém uma série de medidas para liberar ainda mais o uso de agrotóxicos no país.

Por esse motivo, hoje reposto essa dica de filme sobre o tema dos agrotóxicos. O veneno está na mesa é um documentário de 2011, dirigido por Sílvio Tendler, que ficou conhecido por trazer à tona essas questões, completamente sem rodeios. Indispensável para entender mais a questão!

Foto divulgação

O filme começa com ninguém menos que Eduardo Galeano, jornalista e escritor uruguaio, que usa de sua licença poética para dizer, entre outras coisas, sobre o divórcio que se deu entre os direitos da natureza e os direitos do homem. A analogia é verdadeira. Até mesmo o Brasil, que é repleto de riquezas naturais, terras agricultáveis e clima favorável, é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo!

No mundo, após a Segunda Guerra Mundial, a Revolução Verde surgiu com a promessa de produzir alimento para a população do planeta, o que sabe-se: não aconteceu. No Brasil, desde a década de 1960, o uso de agrotóxicos no campo tomou o lugar da produção orgânica, quase que totalmente.

consumo_o-veneno-esta-na-mesa_bx_pi

“Não perguntaram o que a planta precisa, perguntaram o que a indústria precisa fornecer”, fala Ana Maria Primavesi, pioneira da agroecologia no Brasil, sobre o fato de as indústrias de guerra terem visto na agricultura um novo mercado para seus produtos químicos.

Política inorgânica

De acordo com as informações fornecidas no documentário, ainda que a maior parte dos alimentos consumidos na mesa dos brasileiros provenha da agricultura familiar, o uso dos insumos também está presente nessa produção. Isso porque faltam políticas públicas e financiamento para baratear a produção de orgânicos no país.

Sem falar na substituição das sementes crioulas pelas híbridas ou geneticamente modificadas, patenteadas pelas multinacionais, dando origem aos alimentos transgênicos. Por esses motivos, os pequenos produtores acabam de rendendo a esse tipo de agricultura, uma vez que não conseguem financiamento bancário para as safras de outra maneira.

“Ao invés de prestarem contas à natureza, os agricultores passaram a pagar royalties.”

Dessa forma, a disponibilidade dos alimentos orgânicos diminui muito e seu consumo se torna mais caro, gerando o pensamento errôneo de que “pobre tem que comer veneno, orgânico é para rico”. Em um mundo/país que serve às transnacionais, realmente faz sentido.

Planta doente, homem doente

Os principais males causados pelo uso de agrotóxicos são abordados no filme, como a dificuldade de absorção pelo organismo, principalmente dos fetos e bebês, a perda da fertilidade do solo e a contaminação das pessoas, sobretudo os agricultores que manuseiam os produtos.

“Quem paga é o agricultor, quem paga é a saúde da população.”

A maior parte dos agrotóxicos responsáveis por causarem enfermidades agudas foram proibidos, os permitidos são aqueles que causam prejuízos a longo prazo. Outro problema é que a maioria deles se concentra nos alimentos consumidos in natura, questão mais preocupante ainda.

Com o crescimento desenfreado do uso desses defensivos nas plantações brasileiras, aumentam também as barreiras externas aos produtos nacionais, já que a preocupação com o consumo de alimentos realmente saudáveis tem crescido bastante.

Entretanto, ainda é preciso rever muitos valores para que a natureza e o ser humano voltem a se relacionar de forma harmoniosa. O veneno está na mesa vem agir desse modo: é ao mesmo tempo delator, revoltante e instigante. Uma boa pedida para todos, pois cabe a nós decidirmos o que vamos comer.

*O título do texto se refere a um trecho da música Querellas do Brasil, interpretada por Elis Regina, de autoria de Maurício Tapajós e Aldir Blanc.

 

0 comentários

Trackbacks/Pingbacks

  1. OrganiCidade | Pistache Gourmet - […] delata logo de início o documentário “O veneno está na mesa“, o Brasil hoje é campeão mundial no consumo …

Deixe uma resposta