Pages Menu
FacebookTwitterInstagramInstagram
Categories Menu

Um oásis paulistano

Publicado por em 25 jun, 2015 em Destaques, Em ação | 0 comentários

Um oásis paulistano

Conheci o trabalho do ArboreSer em uma oficina de Alimentação Viva, no SESC de Bauru, que fui com minha amiga Bruna Leme. Um ano e meio depois, estive no espaço e era como se eu os conhecesse há muito tempo. Isso porque o ArboreSer é muito mais do que um grupo que propõe alternativas sustentáveis para a população da cidade, pois eles fazem questão de acolher as pessoas em sua história, em seu espaço… nos mostram que com união e vontade de mudar, as possibilidades são infinitas, não importa aonde você esteja.

Há dois anos, o ArboreSer realiza encontros, vivências e cursos sobre Permacultura, agricultura urbana, compostagem doméstica e alimentação consciente.

O grupo foi criado com o intuito de passar e trocar informações com as pessoas que vivem em São Paulo sobre meio ambiente, produção de alimentos sem veneno, qualidade de vida e consumo consciente. “A casa se tornou um ponto de encontro através das atividades oferecidas para articulação de novas idéias e assim nos reconectando com os ciclos naturais”, explicam os representantes do grupo.

Semeando ideias

Um dos cursos mais procurados do ArboreSer é o Curso Extensivo de Agricultura Urbana. Com duração de um mês, os participantes tem a experiência desde a semeadura até a colheita dos alimentos orgânicos. Ao longo do curso, são abordadas questões como utilização do espaço urbano para o plantio, controle biológico, policultura, compostagem, consorciação e rotação de cultura.

Também são realizados cursos de captação de água da chuva, alimentação viva com germinação e consumo de brotos, telhado verde, desidratador solar, plantas medicinais e plantas alimentícias não convencionais, as chamadas PANCs, entre outros.

Captadores de água da chuva

Captadores de água da chuva

Segundo o grupo, a mudança é nítida, “As pessoas passam a reconhecer a forma cíclica que a Natureza se apresenta e começam a questionar o pensamento linear que se tem hoje em dia. A ideia sempre foi sermos um grupo que formasse multiplicadores que possam replicar as técnicas e exemplos que desenvolvemos aqui. Através das práticas vivenciadas as pessoas exportam esses modelos e adaptam para a realidade do espaço em que moram. Após os cursos as pessoas continuam nos informando das técnicas que aplicaram em casa e mantemos o contato para troca de informações”.

Horta na laje

A casa antiga tem, além do quintal com árvores nativas e frutíferas, uma horta na laje, onde se produz vegetais, como berinjela, tomate, couve-flor, brócolis, cenoura, rabanete, couve, almeirão, alface, entre outras ervas aromáticas. Tudo que é produzido abastece a casa e, de acordo com a quantidade, é distribuído para os amigos. O composto orgânico usado na adubação é resultado das composteiras e as sementes utilizadas são produzidas no próprio local para semear as espécies orgânicas.

Foto: Ana Laura Mosquera

Mudas orgânicas

Quase todos os canteiros da horta são feitos com materiais que seriam descartados, como pneus, caixotes, baldes, sacos, e até panelas e liquidificadores. “A cidade é uma grande produtora de resíduos que são descartados em grandes quantidades. Com criatividade podemos transformar esses materiais, dando um novo significado a eles e tornando sua vida útil maior”, ensina o grupo.

Horta vertical

Horta vertical

Por um ciclo natural

De tempos em tempos, o grupo realiza as chamadas visitas ecoeducativas ao espaço, cujo objetivo é mostrar que uma casa na cidade pode funcionar seguindo princípios básicos da natureza, prezando pelo pensamento cíclico e o aproveitamento dos recursos locais.

“Procuramos incentivar as pessoas a perceberem a simplicidade de começar essas práticas em casa. Quando nos inserimos novamente nesse pensamento cíclico, percebemos que não precisamos gerar resíduos ou consumir de modo exagerado e que é muito melhor e mais gostoso viver com a natureza e não contra ela”, eles deixam o recado.

O espaço fica na Zona Norte de São Paulo, no bairro do Jaçanã, na Rua Sebastião de Freitas, 561. No sábado, dia 27, das 18h às 23h, acontece o Arraial Vegano do ArboreSer e a entrada é franca. Uma visita que vale a pena para quem estiver em São Paulo!

Daniel Ribeiro, Camila Costal, a mãe das meninas, Isaque Gomes e Julhiana Costal, do ArboreSer

Daniel Ribeiro, Camila Costal, a mãe das meninas, Isaque Gomes e Julhiana Costal, do ArboreSer

Deixe uma resposta