Pages Menu
FacebookTwitterInstagramInstagram
Categories Menu

Resumo da obra

Publicado por em 8 nov, 2012 em EVENTOS | 0 comentários

Se existe um evento que pode se vangloriar de cumprir sua proposta temática é esse. O Mesa Tendências foi bastante feliz tanto na escolha do tema como na manutenção da ideia pelos palestrantes. Descobrir as Américas no Mesa pode soar pretensioso, mas pode-se dizer que o trazer o tema à tona é um bom começo para a valorização da gastronomia local.

Apesar de jornalista, tenho que assumir que sou também aspirante a chef de cozinha. Fica evidente nas minhas próprias anotações das palestras: são considerações jornalísticas misturadas a receitas e nomes novos, de todos os cantos. A algarroba argentina, o tiradito peruano e o acaçá baiano, só para começar.

É uma infinidade de ingredientes mostrada pelos chefs que possibilita o desenvolvimento das tendências da cozinha americana. A valorização de tais produtos, entretanto, só é possível após o reconhecimento dos mesmos. Assim chegamos ao ponto de enfoque do congresso, no que diz respeito à sustentabilidade no exercício da gastronomia: conhecer o alimento.

Incrível acreditar, mas parece que os chefs conseguiram, em pouco tempo, transferir a minúcia e delicadeza da montagem de um prato para falar sobre os produtos de seus países (inclusive apresentando pratos).

O renomado chef peruano Gastón Acurio foi uma das atrações do dia, mas eu chamaria mais de espetáculo. Desde o início de sua aparição do palco, Gastón soube entreter mesmo uma platéia ansiosa por saber e sabor.

Enquanto falava sobre a culinária peruana e passava um vídeo sobre seu país (ao som de músicas marcantes), centenas de ceviches foram sendo distribuídos aos ouvintes. Por um momento até me perdi, não sabia se comia, escutava Gastón, a música ou assistia o vídeo. No fim das contas, absorvi de tudo um pouco (apesar de eu não ter referências anteriores, o ceviche estava maravilhoso) Para finalizar, um delicioso “pisco sour” para abrir ainda mais o apetite para o almoço.

Gastón começou a palestra falando da mudança de paradigma dos restaurantes, que antes eram lugares exclusivos para as pessoas ricas comerem. Ainda nesse contexto, pontuou a importância do resgate da história de um povo na constituição da gastronomia de um país, “Antes de hacermos un plato, escribimos nuestra historia”, segundo palavras do próprio chef. Ele tratou ainda da relevância das influências de outros territórios na gastronomia local, tanto no que diz respeito à troca de produtos como de técnicas específicas.

Chef Gastón Acurio, Peru

Outro grande destaque do Mesa Tendências da terça-feira (6) foi um conterrâneo de Gastón Acurio, o peruano Virgilio Martinez. Ainda que mais tímido do que Gastón, como pude ver e até ouvi comentários, as ideias e a comida de Virgilio fizeram bastante sucesso.

O chef fez questão de falar da inspiração gastronômica e das influências das diferentes regiões do país, separadas pela altitude: da costa aos territórios desconhecidos além dos Andes.

Inspirado também no carro-chefe peruano do ceviche, Virgilio cozinhou, entre outros pratos do seu menu degustação, o tiradito. O tiradito é uma espécie de ceviche, porém com espessura mais próxima do sashimi e do carpaccio. Dessa vez não teve prova, mas o menu do jovem peruano conseguiu encher ao menos os olhos dos apreciadores.

Chef Virgilio Martinez, Peru

 

Ana Laura Mosquera

 

Deixe uma resposta